segunda-feira, 22 de maio de 2017

Entrevista para a Geração Bookaholic


"Revista literáriamais completa  do Brasil", a Geração Bookaholic é uma publicação mensal eletrônica voltada inteiramente à literatura. Com seções exclusivas, artigos, reportagens e entrevistas, ela traz neste mês de maio uma entrevista com este que vos escreve. Realizada por Roberta Costa, a entrevista abordou principalmente O ADVERSÁRIO, mas também tratou de Taras, Fobias & Contas a Pagar, de O Terraço e a Caverna e até do falecido grupo Filmantes.

O site da Geração Bookaholic está localizado em http://geracaobookaholic.blogspot.com.br/, e a edição de maio está em https://issuu.com/revistageracaobookaholic/docs/geracao_bookaholic_-_edicao_06_-_co. A entrevista está na página 7.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

O TERRAÇO E A CAVERNA no Postando Trechos


Brenda Sousa, do blog Postando Trechos, postou essa bela imagem de divulgação de O TERRAÇO E A CAVERNA. Muito obrigado, Brenda.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

O TERRAÇO E A CAVERNA


Era uma vez uma menina chamada Quinha.

Quinha vivia com os pais, o irmão e o avô numa cobertura na Zona Sul do Rio de Janeiro. A casa de Quinha era grande, luxuosa e colorida. Os pais de Quinha a amavam e não conheciam qualquer dificuldade financeira.
Mas, apesar de tudo, Quinha não era feliz. Com apenas 11 anos de idade, a menina sofria a Síndrome das Pessoas Inexistentes, moléstia semelhante ao autismo, que a fazia viver num mundo sem pessoas. Quinha não enxergava os seres humanos com quem convivia. Seu universo era feito de lugares vazios. Apenas a internet possibilitava alguma comunicação com os outros, que para ela não passavam de personagens numa tela.
Longe dali, havia Paco.
Preso a uma cadeira de rodas, vivendo com a família numa estação abandonada do metrô (foram expulsos da comunidade onde moravam pelo chefe local do tráfico), Paco vê os dias passarem diante do computador que o pai roubou. Nas redes sociais, seu perfil é cheio de revolta, amargura e insatisfação.
Até aquele dia em que, na rede, uma menina tímida, de nome Quinha, atraiu a sua curiosidade.
*
O TERRAÇO E A CAVERNA é meu terceiro romance . Um romance com crianças e poesia. É uma fantasia urbana em que a ação, mais do que fora, ocorre dentro da cabeça da protagonista. No mundo particular por onde transita a pequena Quinha, um gato pode não apenas falar e voar, mas nos levar a lugares repletos de estranheza. Construídos com o mesmo material instável, provocante e ameaçador que encontramos nos sonhos. A imaginação, principalmente a de uma criança, é imprevisível e pode tudo.
Mas o romance é também a história de Paco. Da realidade sólida e de gosto amargo que a fantasia de Quinha procura evitar. Na caverna em que se instalou com a família, Paco externa seus pensamentos, quase sempre hostis, contra um inimigo que ele acha que está em todos os lugares e em todas as pessoas. No entanto, ainda há uma criança dentro das mensagens lançadas como golpes, como armas. Uma criança que a agressividade do mundo não destruiu.
Um encontro entre essas duas crianças, de mundos tão diferentes, seria improvável. Mas isto não é empecilho para o destino.
*
O livro foi premiado em concurso literário promovido pela Fundação Cultural do Estado do Pará, e por enquanto só pode ser adquirido, ao preço de R$ 26,00 (frete incluso), diretamente com o autor, através do email oadversario.romance@gmail.com.



quarta-feira, 12 de abril de 2017

O ADVERSÁRIO no Livros e Opinião


Jornalista e radialista, José Antônio é um apaixonado por literatura que decidiu expressar esta paixão num blog. Livros e Opinião é o resultado, e lá ele vem colocando as opiniões e emoções despertadas pelas leituras que, nas palavras dele, é como embarcar "numa viagem fantástica, a qual não quero que termine nunca".

Pois José Antônio também leu O ADVERSÁRIO, e escreveu um simpático texto sobre ele. Abaixo segue um trecho, mas a íntegra da resenha você encontra aqui.

"Li rapidinho. Acho que em três dias já tinha terminado as 219 páginas. E quando lemos uma história em poucos dias é porque ela nos agradou (...) O enredo prende a atenção, principalmente enquanto o autor explora o 'lance' do terror psicológico. Prende mesmo."

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Papel



O menino escreveu num pedaço de papel o nome da professora que o havia repreendido. Antes de dormir, pôs o pedaço de papel numa fenda que ele descobrira na parede, no porão de sua casa, e foi se deitar.

No dia seguinte a notícia: a professora havia sido atropelada no caminho para o trabalho. Falecera antes de chegar ao hospital.

O menino, então, escreveu em outro pedaço de papel o nome do colega que o perseguia na escola. Como fizera com o anterior, colocou este pedaço de papel na mesma fenda na parede antes de dormir.
 
Atacado por um cachorro na manhã seguinte, também o colega não resistiu.

Embriagado, assim, pelo poder de matar seus desafetos, nem percebeu o menino que os bilhetes foram se desdobrando, até saírem da fenda e caírem, abertos, no chão.
           
*

Quando a professora retornou, no meio da noite, para uma aula particular em seu quarto, o menino achou que ela agora falava de forma vagarosa. Também achou que ela cheirava a coisa morta.

Alguns instantes depois, também o colega viria entrar em seu quarto. Só que, desta vez, com brincadeiras mais cruéis.


 


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Convite da editora

A Autografia tem um convite pra você. Parafraseando o Don Corleone de O Poderoso Chefão, "uma oferta que você não poderá recusar".



segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O ADVERSÁRIO na Bienal de São Paulo


Agora publicado pela Editora Autografia, O ADVERSÁRIO estará ainda este mês na Bienal Internacional do Livro de São Paulo.  Estarei lá com o romance (que agora conta com capa nova e mais bonita, a cargo de Rebecca Frassetto), no dia 26/08/2016, entre 14 e 16h. Espero você.





segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Uma tarde para o terror

Foi uma grata surpresa o XI Encontro de Autores de Medo e Terror do RJ, realizado ontem no Castelinho do Flamengo. Um público mais numeroso, culto, interessante e divertido do que o esperado; a presença de um mestre dos quadrinhos, Allan Alex; e a profusão de bons bate-papos valeram a tarde. O Coletivo Casa do Medo, organizador do evento, está de parabéns. Que venham os próximos.


O castelinho.








Detalhes do interior.










Falando de terror.







domingo, 31 de julho de 2016

O ADVERSÁRIO no Blog Lado Escuro


Voltado ao terror em geral (livros, filmes, música e afins), o blog Lado Escuro publicou uma simpática resenha sobre O ADVERSÁRIO, do qual reproduzo aqui um trecho:

"O autor nos apresentou um final completamente surpreendente. Através de um thriller eletrizante, Maurício nos transportou para um Rio de Janeiro bem diferente do que estamos costumados a ver. As cenas de tortura e violência são realmente fortes e dispensam censuras (ponto para o autor!) e, com uma atmosfera sombria, alternando entre Zona Sul e periferias, entramos em contato com as várias faces do mal entranhadas na sociedade."

E a íntegra você confere aqui: https://blogladoescuro.blogspot.com.br/2016/07/resenha-7-o-adversario.html.



O ADVERSÁRIO no Blog Lado Escuro


Voltado ao terror em geral (livros, filmes, música e afins), o blog Lado Escuro publicou uma simpática resenha sobre O ADVERSÁRIO, do qual reproduzo aqui um trecho:

"O autor nos apresentou um final completamente surpreendente. Através de um thriller eletrizante, Maurício nos transportou para um Rio de Janeiro bem diferente do que estamos costumados a ver. As cenas de tortura e violência são realmente fortes e dispensam censuras (ponto para o autor!) e, com uma atmosfera sombria, alternando entre Zona Sul e periferias, entramos em contato com as várias faces do mal entranhadas na sociedade."

E a íntegra você confere aqui: https://blogladoescuro.blogspot.com.br/2016/07/resenha-7-o-adversario.html.



quarta-feira, 27 de julho de 2016

XI Encontro de Autores de Medo e Terror do RJ


No próximo dia 31/07, no Castelinho do Flamengo, entre 14 e 18h, será realizado o XI Encontro de Autores de Medo e Terror do RJ. O evento é uma iniciativa da  Casa do Medo, coletivo multimídia que reúne autores (escritores, ilustradores, quadrinistas, atores, pesquisadores) e leitores apaixonados pelo gênero. Este mês, o encontro terá como tema Monstros.

Estarei lá com O ADVERSÁRIO, e na semana que vem postarei mais sobre o evento.

Página do encontro no Facebook: https://www.facebook.com/events/625746310924829/



terça-feira, 26 de julho de 2016

Questão de tempo



O vídeo mostrava uma criança diante de um espelho. Mas havia um momento em que a imagem refletida não repetia os movimentos do ser à sua frente. 

O reflexo parava de se mover e ficava olhando fixamente a criança.

Não continuei assistindo. Após fechar a tela, guardei o celular no bolso e tratei de jogar a minha atenção para a paisagem do lado de fora do ônibus. Vídeos como aquele me impressionavam. Após a morte do meu cachorro, tudo me impressionava.


Até chegar em casa, fui evitando todos os reflexos, todas as vitrines, todas as possibilidades de estar diante de um universo estranho. Eu convivia diariamente com pessoas estranhas. Com algumas me relacionava. Mas aquelas que existiam do outro lado, vivendo vidas paralelas numa dimensão de vidro, eram demais para mim. Ninguém gosta de encarar o outro lado, da mesma maneira que ninguém gosta de se ver por dentro.


Então entrei no elevador. Não deveria ter entrado. Não sozinho.


Os espelhos me cercavam. E, neles, várias pessoas, que não estavam no elevador, ficaram me olhando. Inclusive o meu reflexo, silencioso, inquisidor. Como se me esperasse.


No meu andar, a porta do elevador se abriu e eu corri. Estava fugindo sem saber para onde. Sem saber para quê.


terça-feira, 5 de julho de 2016

O sorriso de um morto é um convite


Intrigado com o que parecia um sorriso no rosto do defunto que estava sendo velado, cutuquei minha namorada e perguntei baixinho:
“O morto está sorrindo?”
“Para de graça, Maurício.”
“Não estou de graça.”
“Você sabe que com essas coisas não se brinca.”
“Mas...”
“Defunto sorrindo é mau presságio.”
“Como assim?”
“É sinal de que você vai ser o próximo.”
“Fala sério.”
“Todo mundo sabe disso. O sorriso de um morto é um convite.”

*

Após deixar a namorada em casa, pesquisei na internet a tal afirmação. Jamais ouvira falar que sorriso de morto era convite. Nada encontrando, telefonei para ela.
“Quem te disse que sorriso de morto é convite?”
“Você vai continuar com isso?”
“Quem?”
“Eu já falei para não brincar com essas coisas.”
“Quem?”
“Eu odeio quando você faz isso.”
“Isso o quê? Perguntas?”
“Ah, tchau.”
Antes que eu ligasse de novo para dizer que o que ela fizera era de uma grosseria sem tamanho, uma voz rouca e frágil soaria de um canto pouco iluminado de meu quarto:
“Eu te fiz um convite.”
No instante seguinte, o mundo inteiro se tornaria um canto pouco iluminado. Não tentei sequer correr, fugir ou compreender, e quando a fisgada em minha coluna defeituosa me jogou curvado no chão, imaginei apenas para quem iria sorrir durante o velório.